Dentes – Anatomia dentária – Dente siso

Antes de mais nada, devemos saber que os dentes são órgãos calcificados implantados nos alvéolos e gengivas de ambos os maxilares.

O alvéolo fornece ao mesmo tempo sais de cálcio a outras partes do corpo e atua como um depósito. Por isto é que o osso alveolar facilmente se vê atingido por qualquer afecção que perturbe o metabolismo de cálcio. As gengivas são tecidos moles que cobrem o osso alveolar como um prolongamento das membranas mucosas da boca, lábios e maçãs do rosto.

A principal função dos dentes consiste em triturar e converter os alimentos em partículas diminutas que possam ser ingeridas e digeridas.

Estrutura dos dentes

Os dentes são formados, em grande parte, de sais minerais, principalmente cálcio e fósforo, além de magnésio, flúor e outros elementos. Cada um se compõe de coroa, colo e uma ou mais raízes.

dentes

 

Coroa

A coroa, isto é, a camada dura de revestimento (a única parte externa visível) que protege o dente pode apresentar duas ou mais protuberâncias em sua superfície mastigadora. O formato da coroa varia de acordo com as funções às quais está designado cada dente, fazendo com que os mesmos se diferenciem assim tanto funcional quanto esteticamente.

Esmalte

O esmalte é a camada externa do dente e provém da mesma substância com que se formam o cabelo e as unhas, sendo o tecido mais resistente e mineralizado do corpo humano. Se for danificado por acidente ou doença, depois de rompido, não existe possibilidade de ser restaurado naturalmente. Tampouco se consegue reparar com medicamentos, vitaminas ou elementos nutritivos do sangue a degeneração iniciada em superfície ou em alguma fissura do esmalte.

Dentina

A dentina, substância com aparência de marfim, que também se encontra abaixo da coroa, rodeando o espaço denominada cavidade pulpar, situado no centro do dente. A dentina é constituída de minúsculos túbulos, portanto, caso uma cárie consiga atravessar o esmalte e penetrar na dentina, as bactérias serão diretamente direcionadas à polpa, iniciando-se assim um processo de inflamação.

Polpa

A polpa, região constituída por um tecido macio localizada no núcleo, encerra vasos sanguíneos, nervos e tecido conjuntivo pouco espesso, com células nervosas especializadas. Caso uma cárie consiga penetrar no esmalte e chegar até a polpa, esta é tomada por uma infecção ocasionada pelas bactérias invasoras, ocasionando uma inflamação dolorosa. Tal problema é resolvido por um dentista com um tratamento de canal, cujo procedimento é realizado removendo a polpa infeccionada, com posterior limpeza, desinfecção e obturação.

Raiz

A raiz é recoberta por cemento, substância semelhante ao osso, em sua estrutura. Entretanto, o cemento não apresenta vasos sanguíneos ou linfáticos, o que torna ausente qualquer enervação. Os ligamentos alvéolo-dentais prendem o dente no maxilar, onde o osso da mandíbula lhe proporciona suporte e local para implantação.

 

Gonfose

gonfoses
Gonfoses (em azul)

A gonfose é uma articulação que existe especificamente na mandíbula, e tem como função a fixação dos dentes à mesma.

Apesar de ser uma articulação, não possibilita qualquer movimento aos dentes, entretanto, possibilitam a substituição dos de leite pelos definitivos, além de possuem certa flexibilidade para que possam amortecer impactos ou pressões provenientes de mordedura.

 

 

Quantos dentes temos na boca

Os incisivos ou cortadores acham-se na parte anterior dos maxilares, dois no centro, que por isto recebem o nome de incisivos centrais, e outros dois situados um de cada lado dos anteriores, denominados incisivos laterais.

Em seguida vêm os caninos, de pontas agudas, o que lhes permite dilacerar os alimentos; depois se seguem os molares, ou dentes trituradores. A disposição dos dentes é a mesma em ambos os maxilares e nos lados esquerdo e direito.

A dentadura permanente compreende 32 dentes. Desses, 20 vêm substituir gradualmente os da dentição provisória, começando aos 6 ou 7 anos e terminando aos 12. A segunda dentição começa com a aparição dos primeiros molares permanentes e continua com a dos outros: incisivos centrais e laterais, primeiro e segundo pré-molares, caninos e segundo molar.

Os pré-molares que substituem os de leite apresentam duas pontas na coroa, o que os faz conhecidos, também, como bicúspides. O terceiro molar ou do siso pode aparecer entre os 16 e 25 anos, talvez até mais tarde, ou, por estar incluso, não romper nunca a gengiva.

A série completa dos 32 dentes permanentes são formados por:

  • Maxilar superior: incisiva central, incisivo lateral, caninos, primeira pré-malar, segundo pré-malar, primeiro malar, segundo malar e terceira malar.
  • Maxilar inferior: Terceira malar, segunda malar, primeira malar, segunda pré-malar, primeira pré-malar, canina, incisiva lateral e incisiva central.

O ramo da ortodontia trata de correções de irregularidades e anormalidades dos dentes. Ao corrigir a implantação defeituosa dos dentes, colabora por melhorar o nível de saúde dos mesmos e das gengivas.

Dentes do siso

Os dentes do siso estão localizados no fundo da boca, um de cada lado, sendo os últimos dentes molares. São os últimos dentes a nascer, geralmente aos vinte anos de idade ou mais.

Normalmente, o dente do siso nasce torto, parcialmente ou com um posicionamento que acaba por deixa-lo sem função. Isso ocorre pois, como são os últimos dentes a nascer, já não há mais espaço suficiente para que possam assumir uma posição na boca.

dentes-do-siso
Dentes do siso

Por conta disso, pode acontecer de o dente do siso ficar “preso” debaixo de algum outro ou mesmo abaixo do tecido da gengiva, acarretando em eventuais inchaços e inflamações.

É por esse motivo que, geralmente, o indivíduo opta por procurar um dentista para que este realize a extração do dente do siso, afim de evitar futuras complicações. Até porque, a extração dos mesmos não altera em nada no funcionamento da mordida.

 

Quantos dentes de leite tem uma criança?

Dentição é como se denomina o processo de rompimento dos dentes. Existem duas dentições: a primeira que origina os dentes chamados “de leite” e a segunda que produz os permanentes. A dentadura provisória se compõe de 20 dentes: 4 incisivos, 2 caninos e 4 molares em cada maxilar. Na figura abaixo podemos observar quantos dentes de leite tem uma criança e o nome de cada um.

quantos-dentes-de-leite-tem-uma-criança
Quantos dentes de leite tem uma criança

A primeira dentição é, às vezes, dolorosa, acompanhada de inchação, ardência e sensibilidade nas gengivas. A criança se mostra inquieta durante o período, em que também são comuns os resfriados, as dores de ouvido e a febre. A segunda dentição raramente causa problemas, exceto a dor que pode acompanhar o aparecimento do dente do siso.

 

Dentes – Quantos temos na boca