Paratireoides | Função e Anatomia das Glândulas Endócrinas

As glândulas paratireoides são constituídas por quatro pequenos corpos glandulares fixados à parede posterior da glândula tireoide, no pescoço, dois de cada lado. São as menores glândulas secretoras do sistema endócrino, em conjunto não são maiores do que um pequeno grão de feijão.

glândulas-paratireoides

Função das paratireoides no corpo humano

Embora conheçamos muitos fatos sobre as ações do hormônio paratireoideo no organismo, existem, entretanto, algumas incertezas sobre o modo pelo qual tais efeitos são produzidos. Consideraremos primeiro alguns efeitos de hormônio demais e de menos na circulação e especularemos como o hormônio produz estes efeitos.

A remoção das paratireoides condiciona o aparecimento de uma condição denominada tetania (que não deve ser confundida com o tétano, que é uma infecção). A tetania é caracterizada por espasmos convulsivos e duradouros de alguns músculos. Quando ela é grave, o espasmo dos músculos responsáveis pelos movimentos respiratórios ou dos da laringe pode ocasionar a morte por asfixia.

Uma vez que o nível de cálcio no sangue cai após a ablação das glândulas paratireoides é óbvio que o hormônio paratireoidiano age de alguma maneira,, mantendo o nível adequado de cálcio no sangue.

Ação do hormônio paratireoidiano no organismo

Através de estudos realizados na primeira metade do século XX, concluiu-se que o hormônio paratireoidiano, sem dúvida, está relacionado com o controle da reabsorção óssea. O crescimento normal do tecido ósseo ocorre com formação e reabsorção de tecido ósseo, mantendo-se os dois processos em equilíbrio. Os estudos apresentados sugerem que o hormônio produzido pelas paratireoides age no controle a reabsorção, e se há excesso de hormônio, a reabsorção predomina sobre os processos de formação de tecido ósseo.

anatomia-das-paratireoides

Ou seja, a função do hormônio que produzem é regular o consumo de cálcio e fósforo no organismo. Quando essas glândulas se mostram pouco ativas, não produzindo os hormônios em quantidade suficiente, diminui a quantidade de cálcio no sangue e aumenta a de fósforo; é isto que pode produzir a tetania.

Ao contrário, a superatividade dessas glândulas acarreta a retirada de muito cálcio e fósforo dos ossos, tornando-os moles e frágeis. A secreção excessiva das glândulas paratireoides estimula os rins a extrair demasiado fósforo do sangue e excretá-lo na urina.

Os ossos, que funcionam como depósitos de reserva de fósforo, liberam esse elemento para compensar o que falta no sangue; ao mesmo tempo liberam cálcio ficando privados de um de seus principais elementos, enquanto que o sangue passa a contê-lo em excesso. O resultado é uma enfermidade dos ossos chamada osteíte fibrosa ou osteoporose, na qual os ossos se tornam bastante frágeis

Características das paratireoides

As paratireoides receberam essa designação devido ao fato de se situarem junto à tireoide. Mais precisamente, localizam-se duas de cada lado, na parte posterior dos lobos da mesma, imediatamente por fora da cápsula da glândula, mas para dentro da fáscia. As paratireoides superiores encontram-se aproximadamente a igual distância entre os polos superior e inferior dos lobos; as inferiores localizam-se mais próximas dos polos inferiores.

As paratireoides superiores têm forma ovoide achatada e as inferiores aproximadamente a de uma esfera achatada. Seu comprimento ou diâmetro máximo é ligeiramente superior a meio centímetro. Quando frescas, têm cor amarelo-pardo. Todas as glândulas paratireoides são irrigadas por ramos da artéria tircoidea inferior. Admite-se que o melhor meio para localizar estas pequenas glândulas seja seguindo os ramos arteriais nascidos da artéria tireóidea inferior até suas terminações.

Anatomia das paratireoides

Cada paratireoide é recoberta por delicada cápsula de tecido conjuntivo. Septos conjuntivos partem da cápsula penetrando na glândula, conduzindo vasos sanguíneos e algumas fibras nervosas vasomotoras que penetram no seu interior. Os septos não dividem a glândula em lóbulos nitidamente separados.

Até poucos anos antes da puberdade, só se observa na glândula um tipo de células secretoras, denominadas células principais. São elementos menores do que as células secretoras da maioria das glândulas endócrinas. Assim sendo, na glândula paratireoide, os núcleos das células parenquimatosas estão geralmente muito próximos uns dos outros.

Continue aprendendo sobre a TIREOIDE